domingo, 27 de outubro de 2013

180 NA FLUL


"O evento 180 NA FLUL será uma conversa sobre as novas formas de fazer televisão, com a presença de dois oradores representantes do canal 180. O canal irá apresentar, nesta conversa, os conteúdos que definiram os seus dois primeiros anos de existência. A desconstrução do paradigma televisivo, a sua substituição por uma nova linguagem “transmediaficada” e a televisão enquanto meio de agregação de projectos de múltiplos criativos serão alguns dos temas a abordar nesta conversa. Este acontecimento destina-se a todos aqueles que trabalham ou se interessam por comunicação, cultura ou criatividade.”

No dia 15 de Novembro não deixem de ir a este evento que irá trazer à FLUL um dos projectos televisivos mais interessantes dos últimos anos. 

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Indie Lisboa 2013: Leones

Do You Believe in Rapture? 



Um rosto feminino nega-se, a floresta adensa-se, as vozes multiplicam-se e os corpos adolescentes também. Assim surge Leones, a primeira longa-metragem da realizadora Jazmin López. Filmado magistralmente em película é um dos filmes em competição no Festival IndieLisboa 2013. O filme narra a experiencia de uma jovem, a quem os outros chamam Isabel. Isabel surge como um corpo indefinido no espaço que habita, um espaço que se enuncia no seu anonimato. A floresta que define esse espaço é um espaço espiritual, um espaço que evidência a ausência de uma referência, sem essa referência não há definição, há apenas dúvida e abstracção. A experiência narrada por Jazmin López poderia ser descrita como uma catábase pós-moderna, aqui a descida é guiada pela câmara que define o caminho de Isabel. Isabel é acompanhada nessa viagem por quatro jovens pubescentes que derivam, descrevendo um destino que nunca é aparente ao espectador. A natureza mutante dos personagens, é imprevisível, não existe em momento algum uma forma que contenha a existência espiritual dos personagens. Os diálogos no filme são na  sua maioria activados por um jogo narrativo, por uma tentativa de definir uma história usando seis palavras, um método usado por Hemingway.
A narrativa evolui à medida que os jovens adentram a floresta. Estes jovens jogam sem bola – um piscar de olho a Antonioni -, esvaziam um carregador de uma arma no rio, habitam uma existência para além da morte.
A escara aberta no pescoço de Isabel torna-se realidade, uma realidade que é mais dolorosa quando a consciência da sua existência é alcançada. A morte aparece como marca daquilo que é inescapável. O rosto é algo que pertence somente aos vivos. Leones é segundo a realizadora uma referência a Borges e à sua ideia que os animais são imortais pois não têm consciência da sua morte. Esta figuras são também elas imortais na sua inocência.
Em Leones o caminhar é narrativa, é definição e indefinição, é espaço de negociações, é propósito e propositado, é através da deambulação que os personagens procuram uma casa, um projecto que se encontra selado. O filme tenta escapar a estatutos e definições pondo em evidência a natureza transitiva do projecto existencial, colocando assim em evidência o fim da sua existência. Assim como a estes jovens resta-nos deambular, questionar aquilo que vemos, o que experienciamos, tentado assim dar um significado à experiência definida por Jazmin López. Leones é segundo algumas críticas um filme sem narrativa, no entanto essa verdade é falaciosa, Leones é um filme com uma narrativa, uma narrativa outra, uma narrativa em constante questionamento. Assim como os jovens na floresta, Leones adentra os subterrâneos à procura do rio que leva ao mar.

IndieLisboa 2013: Museum Hours



Glük auf - “es mögen sich Erzgänge auftun”

Museum Hours de Jem Cohen é uma digressão fílmica pela cidade de Viena. Johann, um guarda do Kunsthestorisches Art Museum, repete todos os dias os mesmos gestos, os mesmos jogos, como forma de aliviar o peso do tempo. Anne é uma canadiana de meia-idade que chega a Viena devido ao coma da sua prima. O encontro destes dois personagens será o impulso narrativo de Museum Hours.
Inicialmente os espaços da cidade de Viena restringem-se ao espaço do hospital e ao museu, ambos os espaços enunciam uma imobilidade que contamina a cidade. As naturezas mortas expressas no museu assemelham-se aos objectos estáticos espalhados pelo quarto do hospital. O corpo imobilizado pelo coma confirma o estatuto da cidade Viena como uma cidade estática. A expressão fílmica dessa imobilidade é descrita pela imagem de Johann engolido pela constância da porta de madeira do museu.
Esse estatuto da cidade é alterado pela chegada de Anne, o seu olhar estrangeiro activa em Johann uma nova experiência da cidade. Esta efectua-se na recuperação de uma cidade que se havia perdido devido a processo de naturalização, provocado por uma repetição existencial de Viena. Esta nova experiencia da cidade, enuncia um alargamento do espaço de Viena que se efectiva na fragmentação dos limites do espaço do museu. Os fragmentos da cidade Viena, emoldurados pelo olhar fílmico, transformam-se em registos pictóricos expostos no museu. O questionamento enunciado por Anne desconstrói as estruturas simbólicas da cidade. Esse questionamento leva a personagem a por em causa o seu estatuto na cidade – “I Am a Turist?”. Johann define-se assim como o guia de uma cidade que existe para além do circuito turístico. A invisibilidade de Johann permite-lhe assumir o estatuto de flâneur, aquele que escreve o espaço simbólico da cidade para Anne.
A escrita da cidade enunciada por Johann é confirmada pela expressão pictórica de Bruegel. A palestra na sala de Bruegel enuncia paralelamente à reescrita de Viena uma desconstrução simbólica dos quadros do artista da Flandres. O estatuto simbólico dos quadros de Bruegel é negado em virtude de nova leitura dos mesmos. É posta em evidência a natureza realista dos quadros. A crueza da experiência da cidade é nos quadros de Bruegel a confirmação da falácia histórica a eles associada. Bruegel é o reflexo de Johann que enuncia o seu nome em frente a um espelho.     
Johann é também o possibilitador da comunicação, é ele que permite o entendimento entre o pessoal do hospital e Anne. O corpo imóvel da prima de Anne enuncia o passado cristalizado da personagem. As primeiras visões desse corpo comatoso enunciam uma negação desse corpo pelo olhar fílmico. Johann é o tradutor desse corpo – desse passado encoberto. Antes da descida ao submundo é-nos descrita a face desse corpo cristalizado.
O adentramento efectuado nesse descida enuncia a transformação final do espaço cénico urbano. Essa regeneração é baptizada pela morte, a morte do corpo liberta-o da sua imobilidade. O regresso do casal emergido das profundezas, enuncia a nova vida da cidade. Viena passa existir na sua grandeza estética como espaço de criação artística. 
       
  
"About suffering they were never wrong,

The Old Masters: how well they understood

Its human position; how it takes place

While someone else is eating or opening a window or just walking dully along";

IndieLisboa 2013: Shirley, Visions of Reality


O filme de Gustav Deutsch reúne uma colecção de memórias pictóricas do artista norte-americano Edward Hopper. Os fragmentos pictóricos do artista são esvaziados da sua subjectividade artistica, passando desse modo a referirem-se a aforismos narrativos do realizador Gustav Deutsch. Shirley, Visions of Reality oferece uma experiência estética asséptica, a perfeição dos cenários redesenhados pelo cinematógrafo Jerzy Palacz. nega aos quadros de Hopper a imprecisão que os define enquanto obra de arte. A narrativa cronológica e os aforismos narrativos pouco acrescentam à experiência prosaica oferecida por Shirley, Visions of Reality.

 

sábado, 20 de abril de 2013

my memories of you


Este é um pequeno excerto da série my memories of you da fotografa Nische, Nesta pequena colecções de fragmentos pictóricos está expressa a imobilidade estética que enuncia a desintegração do tempo no espaço pictórico. Está também patente a reclusão da figura rememorativa, que enuncia através da sua existência a figura fantasmática.




Daddy, I have had to kill you. 
You died before I had time (...) 
Bit my pretty red heart in two. 
I was ten when they buried you. 
At twenty I tried to die 
And get back, back, back to you. 
I thought even the bones would do. 

Sylvia Plath

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Mute - Youth Lagoon



O mundo Lynchiano de Youth Lagoon no seu novo videoclip Mute realizado pelo repetente Tyler T. Williams.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

As Miúdas vêm cá!


As miúdas de The Fool têm duas datas marcadas em Portugal. As Warpaint irão tocar no 12 de Novembro na Aula Magna em Lisboa e no dia 13 de Novembro no Hard Club do Porto. Dizem por ai que as meninas trazem amigos.


sexta-feira, 5 de abril de 2013

Details

 

Jorge Roa a.k.a. Conjunto Universo é um ilustrador chileno. As ilustrações de Jorge Roa são uma amálgama entre modelos hiper-realistas e personagens de banda desenhada. O traço seguro mas delicado e a sua atenção à cor tornaramm-no um sucesso no universo hipster. A série aqui representada valida a expressão “o segredo está no detalhe”.

 

terça-feira, 2 de abril de 2013

American Royalty




 Depois ouvir Prismatic o mais recente EP dos American Royalty, fiquei com um sentimento primal – “Tenho de ver estes hipsters ao vivo o mais depressa possível”. Esqueçam os rótulos, eu não quero saber se os gajos são psych-pop, ou alt-pop-soul-experimental, eu só sei que tenho os American Royalty entranhados no corpo – Fuck Yeah!       


Os Primeiros nomes do Milhões de Festa